Opinião

Sobre novos e velhos hábitos

De acordo com não-sei-quantos-estudos da Universidade não-sei-quê, são precisos entre 18 a 254 dias para que se crie um novo hábito e cerca de 66 dias para que este novo comportamento se transforme num automatismo. Passaram cerca de 180 dias desde que escrevi o meu primeiro artigo para a Resina e por aqui continuamos. Nem sempre conseguimos acertar o dia com a correria da vida mas mais volta menos volta o automatismo já cá canta.

Devo admitir que este novo hábito mudou algumas coisas na minha vida. Uma das novas práticas que tenho notado é aquela tendência (quase) inconsciente de olhar para tudo como potencial “tema” para o artigo da semana. Escrever sobre a vida tem destas coisas, refletimos mais e atribuímos significado às coisas simples que nos vão acontecendo. Pela primeira vez, sinto-me feliz por encaixar numa qualquer estatística. No entanto, nem tudo são favas contadas, que isto de criar novos hábitos é quase sempre um caminho tumultuoso e cheio de tentações mais difíceis de resistir que o conforto de um hábito ancestral. 

Comecei por escrever às quartas-feiras, achando que por ser a meio da semana ia conseguir organizar-me de forma a começar a rabiscar umas ideias durante o fim de semana. O que ao início me pareceu um plano infalível rapidamente transformou as minhas quartas-feiras numa correria. 

Quem é que ainda acha que no fim de semana vai conseguir dedicar tempo a coisas que podem ser feitas noutra altura? O fim de semana é o tempo de celebrar a procrastinação como forma de vida, sem relógios nem agendas. Resultado, nada de Resina ao fim de semana e uma segunda e terças-feiras que mais me soavam a atropelamento. Sobravam as quartas-feiras e num misto de desordem arrumada lá me dedicava a escrevinhar umas linhas. 

Se semana após semana comecei a notar esta tendência, também comecei a sentir aquele formigueiro bom de sentir que “às quartas é dia de Resina”. E por não querer desperdiçar esse quase-automatismo que por cá já se tinha instalado, juntamente com o Nuno decidimos que podia começar a escrever as quintas-feiras. Conseguem adivinhar o que passou a acontecer? Pois bem, hoje é sábado e escrevi este artigo ontem a noite! 

Escusado será dizer que esta história dos hábitos com data de validade pode muito bem ser verdade mas nem sempre acontece da forma como imaginamos. Novos ou velhos, os hábitos são sempre um reflexo de nós próprios e aprender a viver com isso faz parte deste caminho que fazemos todos os dias a que se chama viver com intenção.

Autor

Sonha em construir uma casa no Trisio. Acredita que sonhar não custa e por isso gosta de ter os pés um pouco levantados do chão.