Geral

Capítulos

Em conversa com uma colega, ela queixava-se que tinha de fazer mudanças e que isso era chato e perguntou-me se alguma vez me tinha mudado. Respondi-lhe que sim e que só de cidade tinha mudado cinco vezes! Ficou surpreendida e quando me perguntou por onde andei, dei por mim a ter de pensar muito porque parece que tudo isso aconteceu noutra vida. Ou noutras, vá.

Vejamos, crescida em Oleiros tive de rumar a Castelo Branco para poder continuar a estudar. Na altura ainda havia bacharelatos (da pré-história, portanto) por isso, terminados cinco anos em Castelo Branco onde mudei de casa não sei quantas vezes, fui para Leiria tirar a Licenciatura. Não me fiz velha por ali, fiquei apenas um ano e limitei-me a ser estudante.

De Leiria, fui viver na minha cidade de sonho, aquela que me fez sonhar durante toda a adolescência: Londres. Pretendia melhorar a língua inglesa, mas acima de tudo respirar toda aquela cultura que tanto me apaixonava e esquecer um pouco a minha. Fui com uma amiga que ainda lá está.

Desde aturar tias de Cascais a comprarem caxemira numa loja em Trafalgar Square, a aturar bêbados num pub em Notting Hill, até a vender óculos de sol em Portoblello Market, aqui a Rijo fez de tudo.

Bastaram uns meses para que as saudades de tudo quanto era português começassem a apertar e apesar de continuar a fugir da comunidade portuguesa, dava o meu reino por um caldo verde! Nada melhor do que sair para dar valor ao que temos (ou somos) e nessa vida em que fui emigrante tive a certeza que adoro este belo país à beira mar plantado.

Regressei e desta vez decidi que ia para perto de Lisboa. Nessa vida, voltei aos estudos e trabalhava enquanto me tentava orientar pela linha de Sintra, IC19 e no meio de muitos transportes públicos.
Nunca li tanto na minha vida, mas percebi o quanto aquilo me estava a stressar quando uns miúdos que estavam a jogar à bola na rua me atiraram a dita sem querer, e eu, sem dizer nada, devo ter feito uma cara tão feia que um dos miúdos me disse: Calma, é só uma criança!

Era altura de mudar de vida novamente.

Vim parar às Caldas de um dia para o outro e fui ficando.

Não olho para o que vivi em cada cidade com nostalgia porque tirei partido de todos os sítios por onde passei e não tenho saudades do que fui lá.

Hoje, sou o resultado de todos eles, de todas as vidas que neles vivi e se tudo correr bem ainda vou a meio dos capítulos!

Autor

Tradutora por habilitação, professora por profissão, viajante e curiosa pelo mundo por opção.